Desce

Um encontro traz uma nova possibilidade de aventura. Mas logo se descobre que nada acontece como foi planejado.
Abismos
Title (in text)
Copyright
Extra Text (bottom)
Um conto visual por *Franz G. F. Vanderlinde*
Menino concentrado, na sua imaginação um guerreiro preparado para o combate. Ele arma seu bastão, em sua imaginação uma grande lança. Ele dispara ela na direção de um monstruoso pássaro gigante.
Menino lança seu bastão. O pequeno pássaro observa confuso o bastão que erra o alvo. O menino está frustrado, seu guerreiro imaginário está enraivecido.
A menina desperta devagar com a luz do dia que nasce. Espreguiça e deixa a cama. O menino salta entre os telhados fugindo do pássaro que o acompanha curioso. Ele pisa em algo escorregadio e começa a cair do telhado.
A menina puxa a alavanca da máquina com um "clunk". A máquina solta vapores e despeja uma bebida quente na sua xícara. Ela sente o aroma do café contente. Ela segue de volta ao quarto, podemos ver sua cozinha simples, prateleiras de livros, um espelho e uma bota. A cortina balança com a janela aberta.
O corajoso guerreiro ficou dependurado numa haste enquanto o pássaro diabólico se aproxima. O menino pendurado numa haste de antena observa o pássaro que defeca em sua cabeça jocosamente.
A menina contempla o dia ainda sonolenta apoada na janela. Um grande barulho chama sua atença no meio de um gole de café. Do alto o menino despenca com a haste da antena quebrada nas mãos. Estatelado na varanda. "O sonho termina na dureza da realidade".
Menina se inclina para o menino: "Você está bem?". "Acho que sim...". "Foi uma queda feia, ainda bem que tinah onde se segurar!" - menina aponta as partes de sua antena enquanto o menino ergue o corpo aind agachad. "Ah, foi mal... posso consertar..." ele aproxima duas partes quebradas tentando em vão consertar. A menina faz pouco caso: "Deixa pra lá, não tava funcionando mesmo..."
Menina ajuda menino a se levantar: "Como você chama?". "Amin". "Quer um café?". A menina dentro já trazendo o café: "O que você tava fazendo no telhado?". O menino ainda na porta espiando dentro. "Procurando o monstro que levou meus pais". A menina olha para ele consternada.
A menina questiona: "Você é órfão então?". "Eu não sou órfão!". "Ué, então você sabe onde eles estão?". "Não sei, mas se achar o livro, vou descobrir". A menina se espanta com a informação e fica muito curiosa. "Que livro?!". "O livro Azul, claro... Nunca ouviu falar?". Livro misterioso com símbolo estranho na capa. "É um livro que contém a verdade."
Menino começa a recitar uma rima misteriosamente, evocando imagens de um sacerdote lendo um livro e uma cidade suntuosa e brilhante. "A chave da porta sem fechadura/ a porta de uma casa sem abertura/A luz do alto azul acima/que clareia até o profundo abismo/Segredo que todos sabem/escondido no final da viagem.
"Ninguém sabe quem escreveu... E fica guardado em um templo na cidade sagrada. O Livreiro me contou." Imagem do menino lendo livros e ouvindo o Livreiro. A menina fica empolgada: "O livreiro eu conheço!". "E adoro livros. Tenho vários!". Imagem da prateleira da menina torta de tantos livros. Agora séria, a menina coloca uma mão no ombro de Amin. "Mas também tenho minhas perguntas... O Livreiro sabe como chegar nessa cidade?"
Amin meio perdido: "Deve saber, mas não me contou...". Menina se vestindo para sair, jogando um par de botas e uma bolsa para Amin. "... Disse que sou muito jovem...". A menina retruca: "Ah, vamos lá falar com ele!". Menina saindo de casa já a passos largos. Amin vendo problemas: "Mas ele foi embora hoje cedo para outro vilarejo." A menina não se deixa abalar, correndo escada abaixo: "Vamos rápido! A gente alcança ele!"
A menina já desceu várias escadas em plataformas de madeira em ziguezague, indo mais para baixo no abismo. Menino ficando para trás: "Ei! Espera aí!". Ela grita lá de baixo: "Eu conheço um atalho pelo elevador!". Menino fica subitamente assustado com a ideia: "Elevadores?!". A menina tranquiliza: "São seguros! Eu mesma faço a manutenção". Menino reluta mas aceita, notando subitamente o mesmo pássaro de antes. "Er... então tá". Menina entra no elevador e adverte: "Só toma cuidado com a alavanca".
Menino esbraveja com o pássaro: "Pássaro fed... Opa!". Antes de terminar bate o calcanhar na base da alavanca, perde o equilíbrio e cai em cima da alavanca, virando ela para além do que deveria. O elevador desce muito rápido, as crianças mal se seguram gritando muito. O elevador quebra ao chegar embaixo e todos caem na direção do barranco.
Thumbnail
warrior with spear
Authors
Franz Vanderlinde
2016-01-21T11:27:41
Chapter number
1